quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Mal - estar

Eu necessito ser o espírito bélico diante das exclamações. E também enfrento a mim mesma sem direito a recuar. Feliz concessão são as lágrimas do arrependimento, Senhor Deus - de alguma forma meu corpo precisaria expressar as sensações absurdas a que meu passado me submete e quase todos os dias.
Afronta maior é a felicidade que consigo prever, ela foi construída para mim mas não estarei lá. Tracejo o caminho ao lado do arco-íris, mas o ponto final é a escuridão em sua totalidade. O caminho oposto são as sombras e me perco dentro delas. Tento enxergar, tatear, mas sei que estou amarrada e luto luto luto contra o mais oprimido que eu, eu luto contra a minha covardia e peço a Deus em favor da minha consciência. Porque sou homem, sou a mulher, eu padeço de todos os meus males mas mesmo assim não deixo de dar socos no ar.

3 comentários:

Ananda Sampaio disse...

Sempre certeira e verdadeira. Conhecendo vc sei que não seria diferente. Padecemos de dúvidas e angústias parecidas, mas sei que só assim é que sentimos a vida. Lindo texto, obscuro e claro demais. Te amo!

Urbano Gonçalo disse...

Olá!
Faz tempo né?!!
Bonito texto, de raciocínio primoroso; gostei muito.
Beijinho, fica bem.
Aparece!

Urbano Gonçalo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Seguidores