domingo, 29 de janeiro de 2012

Identidade

Você é o homem de chapéu-panamá saído de um romance noir dos anos de 1940, é o marinheiro tatuado com as histórias mais fascinantes dos lugares aonde nunca fui, é o soldado vanguardista que faz em mim a mais linda revolução das flores, é meu companheiro de café numa tarde de céu cinza, é o refrão da música mais bonita que escuto repetidas vezes, você é a morfologia do meu amor, é meu frenesi para as madrugadas de sábado, você é o meu lar e sou etnocêntrica, é meu segundo idioma. Você, meu amor, é o próprio epílogo dos meus vinte e poucos anos.

5 comentários:

Dayne Dantas disse...

Pqp!
Não sei dizer mais nada além disso.

Cynthia Osório disse...

Lucina rima com intensidade, ao menos nos seus escritos, ou seriam sentidos?

p.s: tava sumida mesmo, os concursos tiram minha inspiração. bjoks

On The Rocks. disse...

Bem legal, Lu.

Bj

URBAN.GO disse...

Muito lindo amiga!
Muito mesmo.
Bjs, continua assim.

Iasminne Fortes disse...

São coisas que a gente lê e pensa: como eu não escrevi isso também? Lindo, lindo e lindo, Lu! Poesia :)

beijos!

Seguidores