terça-feira, 11 de outubro de 2011

Old love ou quando o amor vacila

Hoje não tenho prosas cultas, quem sabe entre essas vírgulas encontrem versos vulgares, apenas. É pequena história de amor com mais de mil dias, mil noites e mil madrugadas efusivas escrita por mãos cansadas mas ainda com alguma fé.

- Eu te amo, sempre te amei. Tivemos uma chance, outra, mas não era o hora, o momento não era certo - como se o tempo sempre fosse o nosso inimigo.
Sabe... o momento era cada hora, cada carta, os olhares consumidos, as noites em que escrevemos nossos nomes pelos muros alheios. E não voltam. Saibamos reconhecer o final de uma história de anos, um relacionamento finito que acima de qualquer pavor e sentimentos insuspeitados merece um olhar carinhoso.
Fique com alguém comum, com alguém do passado, com alguém que ainda possa conhecer, mas seja feliz, pra mim sua felicidade sempre foi muito importante. Encontre alguém que realmente possa fazer parte da vida que você sonha pra si. Esteja com alguém que o faça sentir como me sinto quando estou com você.








3 comentários:

Cynthia Osório disse...

velho amor do qual o "tempo inimigo" parece cúmplice em horas das despedidaS.

Ananda Sampaio disse...

lindo!acredito que o amor sempre vacila, seja velho ou novo.Estamos sempre escorregando em nossa própria existência, em nossos próprios sentimentos.Talvez pq tenhamos memória, lembranças que carregamos e com as quais reavaliamos constantemente aquilo q foi vivido!
te amo!

Felipe disse...

Eu só não consigo parar de ler as coisas q vc escreve! Já fiz uma loucura dessas uma vez, escrevi o nome de alguém em um muro e disse q a amava!

Seguidores