quinta-feira, 18 de março de 2010

Urgências


'Sei que ela terminou, o que eu não comecei. E o que ela descobriu, eu aprendi também, eu sei. Ela falou: - Você tem medo; Aí eu disse: - Quem tem medo é você. Falamos o que não devia nunca ser dito por ninguém.
Ela me disse: - Eu não sei mais o que eu sinto por você. Vamos dar um tempo, um dia a gente se vê. E eu dizia: - Ainda é cedo.'

- Legião Urbana



Ok. Não é nada que vá mudar nossas vidas, nenhum tipo de decisão tempestiva, medidas drásticas ou silenciar para sempre. Você olha pra mim mas não está me enxergando, talvez se você me tocasse ou concordasse ou discordasse das coisas que digo eu perceberia que você está vivo, ainda que com essa tua mão fria, esse teu coração cercado por algo feito da mesma matéria que o meu, e por isso não o toco.
Essa verborragia não é conversa barata ou a falta de amor próprio escancarada. Qualquer dor é vencível aos olhos de quem estende o lenço ou enxuga tuas lágrimas; a dor de qualquer um é insignifcante até o dia em que tu mesmo se descubra vencido e já está sob a sombra da amargura.
Não sei se você sabe, mas todo amor desfeito sempre será o último da tua vida até que você seja surpreendido qualquer hora dessas com o coração na mão outra vez.
Sendo assim, eu jamais me importaria em ser a poeta da história, minhas mãos sempre aqui pra escrever as cartas que dão norte à nossa história, ou de ser quem liga pra saber se já está de barriga cheia ou se está abrigado da chuva que cai sobre nós, nosso céu é o mesmo, então me pega pra você e faz um filho. Pelas doçuras e turbulências, sobre estar e quem somos nós, como a loucura que não há como evitar: amar-te é imperativo.
Você sabe, eu sempre sonho, conheci o céu, e quando eu estiver perto de tocar o chão, vou estar esperando pelos teus braços estendidos. E dentro dessa imensidão do que temos pra viver, a felicidade não será sempre aquele par de cadeiras vazias que nos acolherá sempre. Mas é esse o risco de sermos caro um pro outro.
Não estaremos satisfeitos todos os dias, algumas coisas não serão vividas por completo, ao menos assim o sangue não será derramado até última gota e estaremos juntos mais uma vez, sem ter que gritar e tentar ver aquilo que poderia ter sido.
Qualquer um hesitaria, é óbvio, a paixão e essas borboletas no estômago dão medo.
Sempre existe o momento de hesitar entre ficar aqui e resistir ou se entregar, maior ainda é o perigo de não resistir à tentação: podemos não ter uma segunda chance.
Então, respiro fundo, lá da beira do precipício o abismo está cheio de força e a crença de que tenho asas me desperta.

9 comentários:

Dayne S. disse...

'Qualquer dor é vencível aos olhos de quem estende o lenço ou enxuga tuas lágrimas; a dor de qualquer um é insignifcante até o dia em que tu mesmo se descubra vencido e já está sob a sombra da amargura.'

Só quem sabe onde aperta é quem calça o sapato....
Não dá pra imaginar o quão forte seremos em meio a dor...
Assim como não dá pra descrever quando vai passar... Essa espera é angustiante.

Esse texto é lindo vem de encontro com tudo que estamos vivendo, né?
Nossa, e como tem sido difícil, pra todas nós... Mas como 'leria num Blog de qualidade pela net a fora...
'Tenhamos crises, insônias e ansiedades, mas que
a coragem não nos falte e que o medo não nos detenha.'

Cynthia Osório disse...

Vai!!!!
E deixa tudinho registrado em belas letras como sempre!

Bjim, Lú.

URBAN.GO disse...

O amor é um sonho, apenas um sonho.
O amor inspira-nos, sufoca-nos, induz, seduz, mas ... quando alguém ou algo nos abana e ... desconcentra, acordamos, olhamos o espelho e dizemos: -Quem és tu, quem é este(a) ao meu lado? À quanto tempo estarei eu a dormir? Lavamos a cara na àgua fresca e olhamos de novo o espelho, afinal... tudo não passou de um sonho, a unica coisa que perdi, só foram alguns anos de ...vida, de ...amor!??


Bjos. Urbano.

Iasminne Fortes disse...

Não creio que vc fez esse post pra mim. =O
Perfeito, Lu... tão verdadeiro que chegar doer. A música da Legião complementa tudo, tudo... li várias vezes. Demais, demais...

Que seja doce, Lu! =*

gabriela m. disse...

ai essa crença de ter asas.
me empresta qualquer dia desses?

URBAN.GO disse...

Olá!
Liz, no meu post de 21 de Fevereiro (Solidão)respondi ao teu comentário que aproveito para reagradecer, leste o meu comentário, nessa altura?
Fiquei na dúvida.
Fica bem.

Geraldo Brito (Dado) disse...

Ter asas desperta sim!

Ká* disse...

Parace que todos falam a mesma ligua e não precisa de tradução quando se fala de amor, sentimentos.
Somos humanos e é por isso que vivemos, sentimos, sofremos e mesmo assim continuaremos seguindo sempre enfrente, mesmo que seja preciso um par de asas para voar..rs
Lindo texto! :D

giovana disse...

MÃE LÚ!!
borboletas no estômago.

Seguidores