quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Desorientada

Quando a verdade vem
e
quebra porta-retratos
estraçalha ursos de pelúcia
joga as cartas na fogueira
te dá um soco no estômago.

Tudo isso em primeira e segunda pessoa do singular. Não mais pra sempre.

4 comentários:

NyeH disse...

Agradeço a visita Luciana, volta sempre querida!*
Já agora, aproveito para dizer que gostei muito deste pequeno trecho...
Com tão poucas palavras, a emoção foi transmitida! ;)

Beijinho grande*

urbanogoncalo@gmail.com disse...

Olá Luciana!
Obrigado por vizitar o delicado som.
Ao referir o livro, perguntava se já tinha editado ou pensado nisso, pois escreves muito bem. Se ainda não escreveste , segue o meu conselho e atreve-te. Eu assim o fiz, tenho um romance de titulo "Genéve" a concurso em Itália, e participo pela 2ª vez no prémio Matilde Rosa Araujo (camara da Trofa-Portugal)em Conto Infantil.Claro que gostei desta tua ultima postagem, porque não nos inspiramos um ao outro??
Podiamos trocar temas, e desenvolver!
Se quiseres mando o romance por mail mal esteja liberto do concurso. Bjs, Urbano Gonçalo. Há é verdade, respondendo ainda à 2ª questão, como já deves ter adivinhado sou Português. Tchau, manda sempre notícias.

Iasminne Fortes disse...

Me diz: Desde quando a orientação fez parte de nós? Nunca, né?!

Te vejo colhendo os cacos do porta-retrato, o resto dos ursos e das cartas queimadas pra guardar num passado de boas lembranças. Certas coisas só merecem virar lembranças e nos ajudar a seguir em um novo futuro. Algo bonito te espera, Lu! Certeza =*

loïcsilva; disse...

gostei do blog, muito original ;)

Seguidores