quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A saudade chegou antes


Você tá aí quieto e eu aqui na minha: é birra. Nas brigas, nossos momentos mais delicados, perdemos a cabeça enquanto você e esse seu jeito esperto tentam me convencer das coisas que pensa. Nessa tortura sem tamanho, grito. Sabe, não é o tom, mas a força do que te digo. Acredita, te quero bem demais. Meu amor não é uma arma contra nós.

Nunca te amei tanto.

Atropelei pessoas e nossos próprios planos para um futuro bom.
Desejo de redimir: eu.

Desta vez fui vencida por mim. Exatamente por tudo em que acreditava, mas eu te expliquei: meu egoísmo foi irracionalmente emocional. Tanta pureza e vontade de ti desmedidas me fizeram pensar sem pensar: que mal existe em te querer pra mim?

E há tantas dúvidas, é medo mesmo, do amanhã sem teus olhos por perto. As pequenas coisas tornam-se grandes e a minha volta perdem o sentido.


Luciana Lís

3 comentários:

Cynthia Osório disse...

você escreve de modo delicado e poético!

Iasminne Fortes disse...

Por que será que eu entendi e senti cada palavrinha do que escreveu? Quem te conhece, sabe, amiga!

poeta, poeta!
beijo grande, minha amiga =*

... disse...

Amor em demasia.
muito bom!

bjuxx!!!

Seguidores